Receba nossas atualizações

Digite seu endereço de email:

Arquitetura



"Cozinha" ou "Espaço Gourmet"?

Voltando um pouco no tempo vemos as primeiras cozinhas sendo instaladas no centro da casa, com uma enorme chaminé, numa área próxima à sala.  Mas o excesso de calor e de fumaça colocou o cômodo para fora.  E por lá ele ficou até quase a metade do século XIX. O ambiente era freqüentado, apenas, pelo cozinheiro e os outros serviçais da casa.
Naquela época, os setores de serviços e social eram separados para não haver mistura entre empregados e patrões.
Apesar de não existir mais esse tipo de exigência social, grande parte dos apartamentos ainda possui entradas de serviço e social separadas.
Com a chegada de novos equipamentos, a cozinha voltou ao interior da casa, só que pelos fundos.  Hoje, a cozinha está retornando ao centro dos imóveis.  Na verdade, o antigo setor de serviço sofreu uma grande transformação social ao longo do tempo.  Essa transformação se percebe não só pela modernização e evolução dos  móveis e equipamentos destinados ao espaço, como também pela própria denominação – em quase todos os novos empreendimentos encontramos “espaços gourmets” ou “gourmeterias” ao invés de “cozinha”. 
O espaço que há muito vem ganhando status – e uma nova função muito mais relacionada à interação e à convivência do que à preparação da comida em si – está se aproximando cada vez mais dos outros ambientes de interação entre moradores e visitantes.
Há quem garanta que o melhor lugar da casa é a cozinha. E hoje, em quase todas as casas, se recebe na cozinha.  
Mas em apartamentos cada vez menores, nem sempre é fácil conseguir o espaço necessário para uma área de convivência familiar que misture conforto, beleza e funcionalidade.  Uma boa solução é a integração da cozinha com a copa ou com a sala.  Assim, em pequenas ilhas centrais, com bancadas para refeições rápidas ou em espaços com mesas  para até quatro pessoas, a palavra de ordem é união.
Hoje  podemos contar com várias soluções para compor essa integração sala/cozinha, como por exemplo, fazer uso de portas de correr com paineis em materiais diversos, separando sutilmente os ambientes;  Instalar um bom sistema de exaustão (as coifas estão cada vez mais bonitas e potentes); E uma outra solução que eu acho super importante na hora de unir ou criar espaços é a iluminação. Misturar a luz branca com uma luz mais quente, como a amarela, pode sugerir aconchego e conforto.   E Você pode também fazer uso de painéis de vidro, espelhos, grafites, papéis de parede, madeiras de demolição, cadeiras de design etc, enfim, tudo p/ deixar  a cozinha bonita, prática e funcional, como uma cozinha deve ser.
-Fonte: Jornal O Globo - Caderno “Morar Bem”


Cozinha e copa integradas

Cozinha linear integrada com área de serviço e espaço para refeição

Cozinha integrada com sala através de balcão em granito para drinks e refeições rápidas

Integração total com sala tirando partido dos nichos para expor objetos decorativos

Cozinha totalmente aberta para a sala, tirando partido do balcão em "L" para refeições com adega

Um "passa pratos" frontal à bancada da pia, faz a ligação desta cozinha com a sala

Pequena e charmosa com balcão para refeição integrado à sala

Esta cozinha também aberta para sala, possui balcão forrado em vidrotil com tampo de vidro

Cozinha linear integrada com área de serviço e pequena copa reservada.


As  imagens publicadas neste post, foram produzidas por mim para projetos específicos e eu detenho seus direitos autorais.  Não publique sem minha autorização!




Banheiro - Uma breve história da evolução desse ambiente

Os cômodos da casa são como personagens, que ora podem assumir papel de protagonistas, ora podem sair de cena. Nesse movimento, a arquitetura brasileira contemporânea perdeu alguns ambientes, ganhou outros e começa a resgatar alguns elementos e formas de apropriação das residências coloniais.

Se nos séculos anteriores, os modos de vida e a tecnologia construtiva foram os principais responsáveis pela configuração dos cômodos, hoje, o condutor fiel do projeto de uma casa é, sem dúvida, a carência de espaços.  Segundo especialistas, é a redução das áreas disponíveis para erguer novos edifícios e condomínios que acaba alterando a função de alguns ambientes e reduzindo o papel de outros.

Os primeiros banheiros eram do tipo portáteis. As necessidades dos moradores eram feitas em “urinol” e levadas por um escravo para os mares ou rios. O “matinho” também funcionava como um mictório nas horas do aperto. Foi com as instalações hidráulicas que o banheiro e a cozinha passaram a ser construídos lado a lado.

Acrescente a isso os bidês e as banheiras, que além de encarecerem o cômodo, exigiram que suas dimensões  fossem ampliadas. Nos anos 70, os banheiros foram para os quartos, criando as chamadas suítes.

Mas as construtoras começaram a reduzir o tamanho dos ambientes sanitários para usar menos espaço. E em tempos de apartamentos cada vez mais compactos, os banheiros acabam se transformando num desafio para os moradores. E é aí que entram algumas dicas e recursos que vocês podem fazer uso, tornando os banheiros mais práticos e confortáveis.

Conheça alguns recursos

Para começar, a iluminação pode dar uma cara nova a um banheiro pequeno. No caso dos sem janela , os de exaustão mecânica, ela pode fazer milagres.  Se o teto não for baixo, o morador deve rebaixá-lo, embutindo lâmpadas fluorescentes em todo contorno do banheiro:
 - Basta  que o gesso não vá até o encontro do teto com a parede. Num rasgo de cerca de 12cm, ficam embutidas as lâmpadas, que lavam as paredes de luz.
Outra dica é abusar de espelhos. Eles podem cobrir toda a parede acima da bancada da pia ou, até, revestir as portas corrediças do box. Uma outra sugestão é abrir nichos nas paredes, substituindo prateleiras aparentes, que acabam ocupando espaço.
Um outro truque para ganhar espaço, é fazer a bancada com profundidade menor que o padrão, utilizando para isso as modernas cubas de semi-encaixe. Você pode por exemplo,  fazer uma bancada com 35cm de profundidade e a cuba fica projetada para fora dela. O banheiro ganha mais área livre.
Paredes e pisos com revestimentos brancos transmitem a sensação de grandeza ao ambiente. Para banheiros baixos, evite detalhes na parte mais alta da parede. Isso faz com que se perceba logo a real altura do ambiente. Molduras no piso delimitam o espaço e o fazem parecer ainda menor.
E por fim, você pode também trocar a porta convencional de abrir, por uma corrediça (ou sanfonada), que não ocupe a área interna.
Fonte: Jornal O Globo - Caderno “Morar Bem”

Com a bancada de granito "recortada" para a abertura da porta e utilização do vaso sanitário, os armários foram adaptados ao recorte. Na direção do vaso sanitário foi utilizado um módulo sem portas (pois não teríamos como abri-las). Cores claras deixam o pequeno ambiente mais leve.

Neste caso também observamos o recorte do granito para facilitar a abertura da porta de entrada do banheiro. Prateleiras de vidro acompanham o desenho do granito sem pesar no visual.

Despojado, com cuba sobreposta em bancada de MDF "noce", elemento vazado para expor objetos e gavetão branco.

Neste pequeníssimo banheiro, o recurso usado foi prolongar a bancada por sobre a caixa acoplada com o espelho acompanhando. Sensação de espaço e bancada maiores.

Também aqui temos a bancada de granito "recortada" p/ abertura da porta e utilização do vaso sanitário.Os armários foram adaptados aos recortes e na direção do vaso sanitário, temos um módulo vazado.

Aqui temos a solução com portas de deslizantes.  É um recurso quando não se pode abrir portas (na direção do vaso) e o cliente quer tudo fechado. Cores claras suavizam o visual, deixando-o mais agradável.

Dois ambientes num mesmo banheiro:  Bancada com lavatório e bancada tipo camarim!
Estrutura de caixa em tom de madeira (Carvalho Frances)e portas brancas.
Paineis no mesmo tom da madeira complementam o espelho. 100% MDF e puxadores em inox com couro branco.

Com bancada larga (coisa rara atualmente), este banheiro ficou super moderno com a cuba semi-encaixe e mármore carrara. Tem estrutura de caixa em tom de madeira (Carvalho Frances) e portas brancas.  Paineis também complementam o espelho.
                                      100% MDF e puxadores em inox com couro branco.


Aqui você vê a solução da bancada com pouca profundidade (economia de espaço), com utilização da cuba de semi-encaixe. A cuba se projeta para fora da bancada.




 Antoni Gaudi - O Arquiteto Catalão

O grande arquiteto Antoni Gaudi,  foi homenageado pelo Google quando completaria 161 anos (na última terça feira - 26/06/13).
Não poderia deixar  passar esta oportunidade de também render minha homenagem a este arquiteto, por cuja obra sou apaixonada!
Gaudi  criou uma arquitetura muito peculiar e muito à frente do seu tempo e talvez por isto tenha sido incompreendido por seus pares...
Utilizando-se de formas inusitadas, grandiosas e sempre muito curiosas, ele criou um estilo único e uma linguagem nova. Sua obra parece estar "viva" ao mesmo tempo em que se transforma para ser eternamente atual!

Veja algumas imagens de suas obras e um pouco  mais sobre sua vida...





Antoni Gaudí nasceu no dia 25 de junho de 1852, na costa Catalunha. Gaudí se tornou estudante de arquitetura e se inseriu na análise urbana liderado por Ildefons Cerdà. Sua trajetória artística teve início com composições que traziam blocos geométricos justapostos, com destaque para curvas e uso de arcos parabólicos, o que fugia do tradicional da época. 
A rejeição à dureza das linhas retas vinha do sentido religioso que Gaudí atribuía às formas arredondadas. A preferências pelas parábolas era relacionada com a natureza, dando a ela o sentindo da presença de Deus.





Tijolos modelados, metais e cerâmicas coloridas constituiam o trabalho de Gaudí e apontavam para o que formaria as principais características do estilo do artista. O arquiteto preferia criar maquetes, no lugar de desenhos, e moldava detalhes à medida que a obra era feita.
Gaudí também foi fortemente influenciado pelo neogótico, com fortes marcas vindas da arquitetura de Engene Viollet-le-Duc, e por técnicas orientais. O artista catalão chegou a integrar o modernismo espanhol, mas suas técnicas foram além das propostas pelo movimento.





Sua originalidade levou a um estilo próprio, inspirado na natureza e em práticas orgânicas. Gaudí disse muitas vezes que  era um estudante de "o grande livro da natureza" e acreditava que "todos os estilos são organismos relacionados com a natureza". Assim como muitos outros artistas do final do século XIX e início do século XX, Antoni Guadí foi incompreendido pela classe da época.





O arquiteto se tornou uma das maiores referências do movimento artístico Art Nouveau, que também é classificado como um período histórico por alguns críticos. As manifestações da Art Nouveu estavam fortemente ligada à 2ª Revolução Industrial, que explodia na Europa de Gaudí. O estilo traz para as artes a introdução de novos materiais e avanços tecnológicos.








Nesse sentido, Antoni Gaudí projetou edifícios com formas e estruturas muito complexas, que estavam a frente de seu tempo. O artista ficou conhecido como o "arquiteto de Deus" e deixou diversos admiradores no Vaticano. O Templo Expiatório da Sagrada Família é considerado a obra-prima do artista.
As obras do conjunto arquitetônico foram iniciadas em 1822. O projeto foi planejado dentro dos padrões do estilo neogótico, mas Antoni Gaudí reformulou os traços quando assumiu a construção do templo. Gaudí trabalhou por 40 anos na obra, mas morreu em 1926, antes de conclui-la.






Seu trabalho se tornou ainda mais reconhecido ao longo dos anos. Entre 1984 e 2005, sete das suas obras foram classificadas Patrimônio Mundial pela UNESCO.
Até hoje, o Templo Expiatório da Sagrada Família é um dos monumentos mais visitados de toda a Espanha. As obras de Antoni Gaudí continuam atraindo milhares de visitantes, que vão até Barcelona para conhecer de perto seu legado arquitetônico presente também em outros estruturas, como no Parque Guell, um complexo íngreme jardim com elementos arquitetônicos, e na Casa Batlló, uma mansão na cidade do Passeig de Gracia.









Deixo aqui um video maravilhoso do amigo Franco Di Capua, em que ele mostra  detalhes da obra de Gaudi! Aprecie!


                                    

                                                                  Texto e pesquisa do Google




"Frank Lloyd Wright´s Kenneth Laurent House" vai a leilão...


Descobri  recentemente que a residência “Kenneth Laurent” – uma obra de Frank Lloyd Wright, vai a leilão. A residência está localizada em Rockford, Illinois, e foi especialmente concebida para um “veterano de cadeiras de rodas”, durante os anos 1949 e 1952. 
A casa térrea, apresenta uma forma de elipse linda e ocupa uma área de 2500 metros quadrados.  Com três quartos e dois banheiros, o prédio flui em espaços ligeiramente curvos, perfeito para a vida em família. A casa exibe um desenho interior feito sob encomenda,  com vários itens originais , incluídos na venda:  Diversas  poltronas, quadros, telas decorativas, grades de ferro forjado, luminárias etc
Veja abaixo algumas imagens dessa obra prima de Frank Lloyd Wright, que deve ser vendida por no mínimo 700.00USD.  Ele, que é considerado um dos arquitetos mais importantes do século 20,  foi a figura mestra da arquitetura orgânica.  Wright acreditava que “a arquitetura não era só uma questão de habilidade e criatividade, mas deveria transmitir felicidade”, demais não é?  Esse arquiteto defendia que o projeto deve ser individual, de acordo com a localização e finalidade. Dizia que “a forma e a função são uma só”.
Além de arquiteto, ele era designer de interior.  E esta casa é um belo exemplo do seu trabalho de arquiteto, mas principalmente como designer de interior. Vejam a integração do prédio ao ambiente externo, mas atentem para os detalhes internos de marcenaria, mobiliário, esquadrias e luminárias. Um show!!


 Arquitetura e natureza integrados

Totalmente integrada ao espaço externo


As formas sutilmente curvas e esquadrias que trazem a natureza para dentro da casa...

Todos os detalhes feitos e pensados para "o usuário"...

Um trabalho belíssimo de marcenaria!

Detalhes do aproveitamento do espaço...

Luminárias feitas para o ambiente! Um luxo!
Vejam os detalhes de proporção e ergonomia do mobiliário...
E esta mesa, super interessante!

Um conforto inusitado!

Detalhe da lareira e da estante ao fundo na esquadria... 

O quarto totalmente pensado e aproveitado. E mais uma vez as esquadrias levam a natureza para dentro...

Detalhe da luminária



Uma tela...

Uma escultura...


Frank Lloyd nasceu em 08 de junho de 1867 em Wisconsin, Estados Unidos. E morreu em 09 de abril de 1959. Foi arquiteto, designer de interior, escritor e educador. Projetou mais de 1.000 estruturas e completou 500 obras. Ele acreditava na concepção de estruturas que estavam em harmonia com a humanidade e seu ambiente, uma filosofia que chamou “arquitetura orgânica”. Esta filosofia foi melhor exemplificada por seu design em “Fallingwater”(1935), também conhecida como “Casa da cascata”,  que tem sido chamado de “o melhor trabalho de todos os tempos da arquitetura americana”. Sua obra inclui exemplos originais e inovadores de muitos tipos diferentes de construção, incluindo escritórios, igrejas, escolas, arranhacéus, hotéis e museus.
Frank Lloyd Wright visitou o Brasil em 1931, e permanceu por três semanas no Rio de Janeiro onde publicou em diversos jornais cariocas, artigos em prol da nova arquitetura.


Deixo aqui um video que mostra  imagens da "Casa da cascata" (Fallingwater), mais uma obra prima de Frank Lloyd Wright. Aprecie!

                              

Fontes:

Nenhum comentário

Postar um comentário

Entre e deixe seu comentário ou sugestão!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Ambientes e Ideias - Todos os direitos reservados.
Criado por: Telma Pereira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo